SYDNEY, AUSTRALIA UNDER COVID-19

JOHN SWAINSTON

Quando, no inicio de Abril, a pandemia Covid-19 causou um LockDown, nível 3 na Austrália, o John teve a ideia e determinação de documentar em imagens a cidade de Sidney á noite- como o lockdown mudou o carácter dos espaços públicos, estradas e passeios, locais que em situações normais estariam apinhados de trabalhadores, turistas, pessoas a jantar fora, ou ir ao cinema. 

O John inspirou-se num trabalho feito em Março por um fotógrafo profissional inglês de renome, Giles Christopher, intitulado London in Lockdown . Teve também influencia, reportagens fotográficas feitas em Nova York no 11 de Setembro, em Fukushima após o terramoto de 2011, e ainda a devastação causada pelo Tsunami Aceh em 2004. No caso atual está naturalmente a documentar uma crise de saúde, e não um desastre natural.

Em 6 noites, durante o mês de Abril, John Swainston andou pela cidade, fotografando as ruas, os pontos de interesse, e locais icónicos da cidade, desta vez claro, com a ausência do povo, para o qual foi construída a cidade. Da escadaria da Opera House de Sidney à Sydney Harbour Bridge e à Estação Central. O Aeroporto Internacional de Sidney foi fotografado durante o dia; no dia exato em que a Virgin Australia, a segunda maior linha aérea Australiana, anunciava a nomeação de Administradores Financeiros de crise, para tentar evitar um colapso financeiro.

 

O John, tem 70 anos de idade. Ele tomou todas as precauções necessária, com aconselhamento médico. Sempre de máscara e viseira protetora, luvas descartáveis de cada vez que entrava e saia do seu carro, gel desinfetante usado á entrada e saída do veículo antes de tocar no que fosse. Após cada viagem, de regresso a casa, banho imediato e roupas todas na máquina de lavar. Fazia-se sempre acompanhar pelo seu cartão da associação de fotógrafos a que pertence, assim como a creteditação de fotografo de imprensa, e sempre com colete de sinalização vestido. Teve obviamente muitos encontros com a policia, mas sem quaisquer problemas, dada o óbvio aspeto profissional de todo o equipamento que usava.

Nas palavras de John Swainston – “Os historiadores dependem sempre de registos contemporâneos de eventos. Com isso em mente achei que, este trágico evento histórico, da primeira pandemia global massiva desde a “Gripe Espanhola” em 1918-19, que vitimou milhões em todo o mundo, deveria ter um registo de imagens de Sidney durante o Lockdown. Não existem muitas imagens semelhantes da pandemia anterior há 102 anos”.

“ As imagens não são perfeitas de um ponto de vista técnico. São simples imagens documentais, executadas em curto espaço de tempo, com a escolha do preto e branco a representar melhor o ambiente da cidade“. 

 

You cannot copy content of this page